Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Um blog para todas as mulheres depois dos “entas” . Mulheres que, na plenitude das suas vidas, desejam celebrar a liberdade de assumirem a sua idade, as suas rugas, os seus cabelos brancos e que querem ser felizes

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Porque é tão difícil escapar de uma situação de maus-tratos?

mulher-maos-rosto. Porque é tão difícil escapar de uma situação de maus-tratos. .

Infelizmente, os maus-tratos estão muito presentes no nosso dia a dia. Diariamente sabemos de notícias de mulheres assassinadas às mãos dos seus parceiros ou ex-parceiros. Nalguns casos, o agressor procurou-a ou encontrou-a, mesmo que não estivessem juntos. Mas também há vezes em que a vítima se encontra com essa pessoa diversas vezes, ou pode ser que nunca tenha deixado o relacionamento. Afinal, porque é tão difícil escapar de uma situação de maus-tratos?

Para muitas pessoas isto é difícil de entender. É normal ouvir: “Se te faz tão mal, porque voltas ou mantêns essa situação?” A realidade não é tão simples. Não quer dizer que essas mulheres sejam culpadas, mas acabaram por envolver-se numa teia de processos, que tornaram difícil escapar dessa situação de abuso… Continue a ler para entender e assim poder ajudar essas pessoas mais e melhor!

“Esse desejo irracional pelo domínio, controle e poder sobre a outra pessoa é a principal força que alimenta a violência doméstica entre os casais.”
-Luis Rojas Marcos-

mulher-cabeça-baixa. Esse desejo irracional pelo domínio controle e poder sobre a outra pessoa é a principal força que alimenta a violência doméstica entre os casais.

A dependência emocional no abuso

Num relacionamento, o normal é sentir-se amado pela outra pessoa. Então, como poderemos definir a dependência emocional? Esta será uma necessidade extrema de afecto por parte de um dos elementos do casal, que alimenta pensamentos obsessivos sobre o outro e constantes sentimentos de abandono, o que fará com que esta pessoa se comporte de forma submissa para não perder o ser amado.

Assim, se prioriza o parceiro acima de qualquer coisa ou pessoa (inclusive sobre si mesma), idealizando-o. Desta forma, se destacam as qualidades favoráveis que tenha ​​(mesmo que sejam poucas) e se oculta ou dissimula a crueldade e agressividade que manifestar. Além disso, assumem-se as crenças do agressor de que ele é superior no relacionamento.

A isso se adiciona o medo do rompimento. Isto cria uma ansiedade e um medo de separação,  que faz com que a vítima acredite que o pior que pode acontecer com ela é que o relacionamento termine e ela fique sozinha, fazendo tudo para que isso não aconteça. Tudo o que foi mencionado é aumentado, uma vez que o abuso é constante, por períodos em que o agressor se arrepende e é agradável para tentar “compensar” os danos causados.

“Tememos a violência menos do que os nossos próprios sentimentos. A dor pessoal, privada e solitária é mais aterrorizante do que qualquer pessoa pode infligir.”
-Jim Morrison-

Assim, as vítimas nesta situação podem chegar a culpa-se a si mesmas pelas agressões que recebem, num esquema de pensamento no qual assumem que o seu parceiro é amável e afectuoso, que não é possível que este se comporte de maneira violenta, de modo que quando isso ocorre, procuram uma causa e, geralmente, apontam para elas. Desta forma, elas não se vêem como vítimas, mas como culpadas ou responsáveis.

Assim, se estabelece um relacionamento no qual acontecem agressões que causam terror e medo, e bons momentos que geram uma sensação de alívio. Neste contraste, o normal é que a vítima faça todo o possível para que predominem os segundos momentos, embora no caminho, pouco a pouco, se vá enterrando a si própria.

mulher-sozinha-quarto.Tememos a violência menos do que os nossos próprios sentimentos. A dor pessoal  privada e solitária é mais aterrorizante do que qualquer pessoa pode infligir.

Outros factores que fazem com que seja difícil escapar de uma situação de maus-tratos

A juntar a tudo o que foi dito até agora pode, ainda, ser identificado outro factor, que faz com que a vítima não consiga escapar de uma situação de maus-tratos: a baixa auto-estima. Ela vê-se como uma pessoa que não é capaz de fazer as coisas bem ou de se defender. Além disso, é algo que o agressor continua a repetir-lhe: “Não serves para nada”. Esta é uma frase comum quando se exerce violência verbal.

Mas não exerce somente a violência física ou psicológica contra a vítima, também é comum tirar à  vítima o seu apoio social. O isolamento da vítima, que tanto favorece os interesses do agressor, faz com que a sua dependência seja mantida ou mesmo aumentada. O objectivo final desta estratégia é que a vítima não tenha com quem falar ou a quem pedir ajuda.

Neste horizonte, encontramos o desamparo aprendido. A vítima vai perdendo, gradualmente, grande parte de seu poder e liberdade, e acaba percebendo que não há nada que possa fazer para mudar. Assim, o desespero reina na sua vida e ela não vê nenhuma saída possível. Por isso é tão difícil escapar de uma situação de maus-tratos.

 

“É abuso qualquer comportamento destinado a controlar e subjugar outro ser humano através do uso do medo e da humilhação, e utilizando ataques físicos ou verbais.”

-Susan Forward-

 

 

Mandy MartinsPereira escreve de acordo com a antiga ortografia.

Fonte : AMenteéMaravilhosa

Imagens:  Misael Nevarez, Volkan Olmez e Xavier Sotomayor.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.