Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Um blog para todas as mulheres depois dos “entas” . Mulheres que, na plenitude das suas vidas, desejam celebrar a liberdade de assumirem a sua idade, as suas rugas, os seus cabelos brancos e que querem ser felizes

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Por que dançar é o melhor terapia para reverter o envelhecimento cerebral

Várias investigações mostraram já os benefícios da actividade física para combater a deterioração cognitiva associada à idade, mas, soube-se agora, que dançar é a melhor terapia. Como mover-se ao ritmo da música ajuda na luta contra a doença de Alzheimer.

5757dca111d6739fde4c4f55f26c507d--just-dance-dance

Com este objectivo, cientistas do Centro Alemão de Doenças Neuro-degenerativas e outras instituições alemãs, empreenderam um trabalho que veio mostrar como as pessoas mais velhas, que se exercitam regularmente, podem reverter os sinais do envelhecimento no cérebro . E concluíram que, entre todos os tipos de exercício, a dança é a que tem o efeito benéfico mais profundo.

 O exercício tem o efeito de retardar ou até mesmo neutralizar a responsabilidade da idade nas capacidades mental e física.

" Neste estudo, é demonstrado que dois tipos diferentes de exercícios físicos (dança e treino de resistência) aumentam a área de cérebro que diminui com a idade e melhora o equilíbrio ", explicou Kathrin Rehfeld, chefe do trabalho.

Os pesquisadores contaram para a sua pesquisa com dois grupos de idosos, que foram separados em dois grupos:  o grupo de dança, composto por 14 pessoas entre 67 e 71 anos e outro, de 12 pessoas, entre 68 e 71 anos, que realizaram exercício físico. Num curso semanal que durou 18 meses os participantes aprenderam rotinas de dança ou treino de resistência e flexibilidade.

feliz-casal-senior-dancando-em-casa_23-2147901298.

Durante o trabalho, ambos os grupos mostraram um aumento de volume na região do hipocampo do cérebro. Isto é importante, uma vez que esta área é propensa à deterioração do cérebro relacionada com a idade (e desempenha um papel fundamental na memória e aprendizagem, bem como na manutenção do equilíbrio) que é afectado por doenças como Alzheimer.

Com o objectivo  de aprofundar este aspecto, os pesquisadores distribuíram diferentes rotinas de exercícios para os voluntários de acordo com o grupo: o treino físico tradicional era composto por exercícios repetitivos (como o ciclismo), e o grupo de dança, pelo contrário, enfrentava todas as semanas um novo desafio com outro tipo de dança.

“Tratámos de proporcionar às pessoas do grupo de dança, rotinas que se alteravam constantemente mudando o género de dança  (tango, dança latina, valsa, …). Desta forma, os passos, os padrões dos braços, a velocidade e os ritmos mudavam a cada semana. Com um processo de aprendizagem constante “, esclareceu Rehfeld,” o aspecto mais difícil para eles era lembrarem-se das rotinas sob a pressão do tempo, sem qualquer pista do instrutor. ”

Segundo os pesquisadores, esse desafio adicional, no grupo de dança, explicaria a diferença perceptível entre o equilíbrio desse grupo e os do grupo treinado com exercícios tradicionais e a melhora dos sintomas de deterioração cognitiva associados à idade.

pessoas-mais-velhas-dancando.jpg

Concluiu-se que: “A actividade física é um dos factores do estilo de vida que pode contribuir para uma vida mais saudável. o maior tempo possível, contrabalançando vários factores de risco e diminuindo o declínio relacionado com a idade, com novos desafios para o corpo e mente, especialmente na velhice “.

Texto adaptado

Mandy Martins-Pereira escreve de acordo com a antiga ortografia.

Fonte: infobae 

Imagens : Web

 

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.