Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Um blog para todas as mulheres depois dos “entas” . Mulheres que, na plenitude das suas vidas, desejam celebrar a liberdade de assumirem a sua idade, as suas rugas, os seus cabelos brancos e que querem ser felizes

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Cenas como esta acontecem todos os dias, em milhares de lares, em todo o mundo.

Pai-e-filho

  Um coração ouvindo outro coração.

 

O cenário é comum, a cena é singela.

Num banco de jardim da casa estão sentados um idoso e um jovem.

O jovem lê atentamente o jornal. O idoso parece imerso em algo indefinível.

Então, um pequeno pássaro pousa no arbusto próximo e canta. O homem parece despertar e indaga:

O que é aquilo? – Apontando com o dedo na direcção da pequena ave.

O rapaz alça os olhos e diz, secamente: É um pardal.

A avezita saltita de um galho a outro e a pergunta repete-se: O que é aquilo?

A resposta agora não é somente seca, mas também denota enfado: Já disse: é um pardal!

O pássaro voa do arbusto para a árvore, continuando na sua dança matinal.

O que é aquilo? – Soa de novo.

Agora, o rapaz irrita-se e quase grita: É um pardal!

A ave, feliz, prossegue no seu bailar. Alça voo e parece desaparecer. Poucos segundos passados e retorna ao chão, bicando aqui, saltitando acolá.

O homem leva a mão aos olhos, como se desejasse ajustar a visão embaçada e, com natural curiosidade, pergunta:

O que é aquilo?

O filho responde, em altos brados: É um pardal! Já disse: um pardal.

E soletra, aos gritos: P - a – r - d – a – l. Você não entende?

O homem se ergue, sobe os degraus, adentra a casa, lento e decidido. Pouco depois, retorna com um velho caderno nas mãos. A capa é bonita, denotando que foi guardado com cuidado, como se guardam preciosidades. Abre-o, procura algo, depois o entrega ao rapaz, ainda inquieto e raivoso.

Leia! – Pede o pai. E acrescenta: Em voz alta!

Há surpresa no rapaz, que lê pausada e cada vez com maior emoção: Hoje, o meu filho caçula, que há uns dias completou três anos, estava sentado comigo, no parque, quando um pardal pousou na nossa frente.

O meu filho me perguntou-me vinte e uma vezes o que era aquilo e eu respondi em todas as vinte e uma vezes que era um pardal.

Abracei-o todas as vezes que ele repetiu a pergunta, vez após vez, sem ficar zangado, sentindo afeição pelo meu inocente garotinho.

 

Então, o filho olha o pai. Há culpa e dor no seu coração.

Abraça-o, lacrimoso, beija-lhe a face, emoldurada pela barba por fazer.

Estreita-o, puxando-o para perto de si. E assim ficam: um coração ouvindo outro coração.

 

*   *   *

Cenas como esta acontecem todos os dias, em milhares de lares, em todo o mundo.

Os nossos anciãos com problemas de Alzheimer, demências senis ou problemáticas e outras, indagam, perguntam, questionam.

Falta-lhes a memória recente. Mergulhados em retalhos de lembranças do passado, não entendem porque recebem gritos como resposta.

Pensemos nisso! E se as lágrimas nos humedecerem os olhos, não tenhamos vergonha de abraçar com amor o nosso velho pai, a nossa mãe, o avô, a avó, a madrinha, a tia... agora, agora mesmo.

 

Mandy MartinsPereira escreve de acordo com a antiga ortografia

 

Texto adaptado de um texto encontrada na web.

 

Imagem : Web

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.